Afinal, quais são os indicadores de Medicina e Segurança do Trabalho?

A Medicina e Segurança do Trabalho no Brasil, sempre foi vista de forma burocrática. A maioria das empresas cumprem apenas por questões de legislação ou fiscalização.

Esse movimento se estendeu por muitos anos. Mas, nos últimos anos pra cá, entendemos que a Medicina e Segurança do Trabalho é além do que apenas laudos, treinamentos e EPI´s. Ela possui o objetivo de trazer qualidade de vida para o ambiente de trabalho, mapear a saúde dos colaboradores e colaborador com indicadores muitas vezes esquecidos pelas empresas.

Esses indicadores são de suma importância para a empresa como todo, até mesmo com o objetivo de reduz gastos.

Uma vez que conseguimos mapear a saúde dos colaboradores, a redução dos gastos de afastamento e sinistralidade do convênio é notória.

O objetivo de tocar nesse assunto, é mostrar que a Medicina e Segurança do Trabalho pode ir muito além de apenas documentos de normas regulamentadoras, mas, sim, trazer resultados incríveis para as empresas.

 

Você conhece os indicadores de saúde ocupacional? No blog Med Mais, o gerente da área técnica do Grupo Med Mais, Luciano Sergino, vai explicar um pouco sobre eles.

 

Quase acidentes

São atos que prejudicam o andamento do trabalho, e não geram um acidente efetivo. Um exemplo é dentro da empresa há um desnível no chão, em que vários colaboradores escorregam, mas não gera um acidente. Diante desse problema, qual é a tratativa da sua organização?

 

Acidentes de trabalho

Eles merecem uma atenção redobrada da empresa, pois os profissionais de SEMST ou RH precisam fazer o registro da Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT). É essencial que a empresa tenha um plano de ação para que possa mitigar esses tipos de acidentes.

 

Integração dos colaboradores nas ações de gestão de SSO

A gestão de Segurança e Saúde Ocupacional vai além da entrega de treinamentos, e de equipamentos de proteção individuais (EPIs). A empresa precisa investir na educação do colaborador, pois a participação dele é fundamental nessa gestão.  

 

Registro, implantação e monitoramento e aplicabilidade das normas regulamentadoras

Treinamentos, cursos e diversas ações que estão previstas na legislação é necessário acompanhar como os colaboradores estão interagindo e aplicando essas normas no dia a dia.

 

EPI

O indicador de EPI traz várias ações, para que o SESTM tenha rigorosidade no monitoramento da avaliação dos riscos. Ele está ligado a duas vertentes na gestão de SSO: efetividade da neutralização do risco, mas também está ligado ao custo relacionado a custo financeiro da operação.

 

PPRA e PCMSO

A inovação na Medicina do Trabalho é que esses programas saíram dos papeis e todas as ações que estão dentro Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) e Programa de Prevenção de Riscos Ambientes (PPRA)  devem ser implantadas cuidadosamente e avaliadas durante o ano, desde o monitoramento, avaliação e saúde ocupacional e também de viabilidade econômica para a empresa.

 

CIPA

O indicador de CIPA é importante, pois traz uma visão de o colaborar integrar todos os setores dentro de uma empresa. Ele tem o objetivo de fomentar a atuação da CIPA, instruir e educar sobre a cultura da empresa.

“Os indicadores que a CIPA vai trazer informações sobre os quase acidentes, questões rotineiras de trabalho, situações psicossociais dos colaboradores. São indicadores que servem para ser tratados pelo RH, pelo SESMT e pela empresa”, explica Luciano Sergino, gerente da área técnica do Grupo Med Mais.

 

Outros indicadores

Além desses indicadores de saúde ocupacional, é essencial que os empresários, gestores de Recursos Humanos e SESMT observem os indicadores de turn over (avalia a rotatividade dentro da empresa), absenteísmo (avalia o índice de afastamento de doenças ocupacionais ou doenças profissionais), redução dos custos de periculosidade e insalubridade, e a sinistralidade do plano de saúde da sua empresa.

 

Luciano Sergino defende que esses indicadores devem ser avaliados de forma integrada.

“O ano de 2020 chegou e a gente tem que sair dessa Medicina e Segurança Ocupacional estagnada do século passado. Nós temos que entender esses dois nichos que atuam na gestão de SSO, que é: a Segurança do Trabalho e a Medicina do Trabalho, são dois setores que agem de forma integrada, é que trazem pra gente, pra gestão, pra organização, indicadores que devem ser tratados”.

Quando falamos em inovação na Saúde e Segurança do Trabalho precisamos compreender que uma empresa deve sair desse modelo arcaico voltado apenas para a emissão de laudos para o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA e Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO, de realização de Atestado de Saúde Ocupacional-ASO.

“A gestão dos indicadores de saúde do seu colaborador vai muito além disso. Aprenda a trabalhar com indicadores e a trazer mais produtividade, menos custo e mais qualidade de vida”, explica.

 

Quer saber mais sobre Saúde e Segurança do Trabalho? Segue as notícias em nosso site:  www.medmais.com .

Comment

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *