É possível terceirizar o SESMT? SIM, é possível!

Administrar segurança e medicina do trabalho se torna muito mais fácil, e menos dispendioso, quando é feito de maneira terceirizada. O Grupo Med Mais é especialista em Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) e vamos te explicar por que terceirizar o SESMT pode ajudar a sua empresa. 

Quando uma empresa nasce, geralmente, tem poucos funcionários e administração da segurança e medicina dos colaboradores é feita pela área de Recursos Humanos. Com o tempo a empresa cresce e com ela o número de colaboradores. Gradualmente, ela entra uma nova realidade onde precisa de uma gestão especializada para SESMT. 

Adotar os protocolos de SESMT exigidos pela legislação trabalhista de maneira individual pode até solucionar a questão temporariamente. Por outro lado, os gastos são muito maiores, já que o empreendedor faria cada um dos procedimentos separadamente. 

Delegar é preciso

Primeiramente, terceirizar o SESMT além de reduzir os gastos da empresa, centraliza todas as demandas do segmento em um especialista, como o Grupo Med Mais. Essa centralização proporciona o desafogamento do RH da empresa, e transfere a responsabilidade para alguém que certamente tem experiência na área.

Mantenha-se atual

Outro diferencial de terceirizar o SESMT é a atualização dos conteúdos e processos. O empregador não precisa gastar tempo, dinheiro e energia buscando soluções de segurança e medicina ocupacional.

Consequentemente, com os colaboradores sob os cuidados de quem entende de SESMT o empreendedor pode se focar melhor nos seus objetivos e metas de crescimento.

Serviço completo

Além disso, quem gere o SESMT adequadamente trabalha com todos os indicadores. O Grupo Med Mais, por exemplo, atua em todas as frentes de segurança e medicina do trabalho.

Indicadores Med Mais

  • Integração dos colaboradores nas ações de gestão de Segurança e Saúde Ocupacional; 

  • Registro, implantação, monitoramento e aplicabilidade das normas regulamentadoras;

  • Treinamentos, cursos e diversas ações que estão previstas na legislação é necessário acompanhar como os colaboradores estão interagindo e aplicando essas normas no dia a dia.

  • Neutralização de riscos, também ligado a custo financeiro da operação;

  • Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO);

  • Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA); 

  • Absenteísmo (avalia o índice de afastamento de doenças ocupacionais ou doenças profissionais);

  • Redução dos custos de periculosidade e insalubridade, e a sinistralidade do plano de saúde da  empresa.

Para resumir, o nosso Gerente Técnica do Grupo Med Mais, Luciano Sergino,  defendeu que os indicadores sejam avaliados de forma integrada.

“2020 chegou e a gente tem que sair dessa Medicina e Segurança Ocupacional estagnada do século passado. Temos que entender os dois nichos que atuam na gestão de SSO: a Segurança do Trabalho e a Medicina do Trabalho, são setores que agem de forma integrada, é que trazem indicadores que devem ser tratados”, conclui Luciano.

Abandone o passado

Ou seja, uma empresa atualizada deve abandonar o modelo arcaico, voltado apenas para a emissão de laudos para o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA e Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO, e de realização de Atestado de Saúde Ocupacional-ASO e começar a tratar do assunto com mais propriedade.

“A gestão dos indicadores de saúde do seu colaborador vai muito além disso. Aprenda a trabalhar com indicadores e a trazer mais produtividade, menos custo e mais qualidade de vida”, conclui Luciano.

Quer saber mais sobre Saúde e Segurança do Trabalho? Acompanhe as notícias em nosso site:  www.medmais.com .


Comente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *